Pular Navegação (s)
11/05/2022

Posso viajar com Transbike?

Essa é uma dúvida muito comum de quem deseja viajar e precisa levar a bicicleta.

Algumas bicicletas fazem parte da família, também contam com vários apelidos carinhos, como magrela, camelo, kalanga, magrelinha, zica e entre outros, em alguns lugares esses codinomes se tornam uma palavra regional. É graças a ela que se aprende a pedalar, uma atividade física muito comum e saudável, costuma agradar todas as idades, desde a criança que esbanja alegria ao aprender a andar de bicicleta sem rodinha até ao idoso.

Mesmo sendo indispensável em uma viagem de família é necessário tomar alguns cuidados na hora de transporta-la no carro. Para isso A Resolução 349/2010 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) mostra aos motoristas a maneira correta para viajar com transbike priorizando a segurança e sem correr risco de ser multado.

A escolha do Transbike

Nenhum artefato pode impedir a visibilidade de placas e nem das luzes do veículo, e isso serve para as bicicletas, que podem ser colocadas no teto ou na parte traseira do carro, porém é obrigatório o uso de suportes, projetados especialmente para essa função, são chamados de "transbikes".

Caso ainda não tenha o seu transbike é necessário estar atento para algumas características e comprar o que vai se adaptar melhor na sua rotina. Essencialmente eles são divididos em dois tipos, sendo eles: os racks traseiros e o transbike de teto, alguns contam com o engate de reboque e outros não. 

Bike no transbike de teto

Aqui vão alguns tópicos a serem considerados:

  • Capacidade: esteja atento para a capacidade máxima de peso ou de bicicletas que podem ser transportadas com o suporte, isso varia de cada modelo.
  • Tem que ser compatível com o veículo: leve em conta o modelo do automóvel na hora da compra do transbike.
  • Fique atento nas Leis de transito: em alguns casos além do suporte, outros equipamentos se tornam obrigatórios.
  • Dimensões do veículo: o transbike pode interferir na altura e largura do carro.

Depois de adquirir o transbike é preciso definir a melhor posição para alinhar a bicicleta. Para realizar essa escolha tem que levar alguns pontos em consideração, por exemplo, colocar no teto do veículo é uma boa maneira de evitar danos na carroceria. Nesse caso, não existe limite de altura para transporte da bike, porém a única preocupação é com as árvores e garagens, por isso é importante saber o caminho para não esbarrar em tais estruturas.

Outra opção é a tampa traseira do carro, para se precaver o motorista pode utilizar uma segunda placa, em caso de a bicicleta prejudicar a visão da placa original, para isso é preciso passar por uma vistoria regulamentada pelo Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

Seguindo as regulamentações, o uso da régua de sinalização é obrigatório, ela deve ter no mínimo 1 metro de largura e não ultrapassar a largura do veículo, sem contar os espelhos retrovisores. A régua é muito eficaz por ter o seu próprio sistema de luz e sinalização, que deve ser fixada por meio de engates, encaixes ou parafusos.

Cuidado com as multas e transgressões

Bike anexada em transbike de teto

Usar o transbike na parte traseira do carro, sem a régua de sinalização é classificada como infração gravíssima. A multa pode chegar a R$ 293,47, além disso, o condutor sofre com sete pontos na carteira de habilitação. Em alguns casos pode ocorrer a remoção do veículo.

Quando o transporte da bicicleta ultrapassa a largura ideal também ocorre a aplicação de multa, na categoria de infração grave, que custa R$ 195,23, cinco pontos no prontuário e possibilidade de retenção do carro.

Nas picapes, as magrelas podem ser levadas na caçamba, inclusive com a tampa aperta. Mas, o comprimento do balanço deve ser respeitado, ou seja, a medida que vai do centro da roda até onde a carga termina. Essa distância deve ser de no máximo 60% da distância entre eixos do automóvel.

Como a bicicleta ficaria para fora a caçamba é preciso investir em sinalização, em viagens realizadas no anoitecer o motorista deve utilizar uma luz vermelha e um refletor. Porém, existem mais opções, como por exemplo o extensor de caçamba, é uma peça automotiva que pode ser encontrada em algumas montadoras e fabricantes de acessórios. É uma alternativa mais prática, por trazer toda a sinalização obrigatória por lei.

Transbike pode trazer segurança na sua viagem

O acessório é perfeito para garantir uma aventura tranquila, seguindo todos os passos e estando de acordo com as Leis do Código de Trânsito Brasileiro não há perigos em carregar a bicicleta no carro de passeio.

É permitido viajar utilizando o suporte, desde que o motorista se certifique da sinalização e dos tamanhos ideais do veículo. A peça conta com variações de modelos, pensando no encaixe perfeito com o produto de transporte, no caso a bicicleta e carro. Se tudo estiver dentro dos conformes da lei, basta apenas seguir viagem e aproveitar.

MONTE SEU RACK